Os brasileiros continuam viajando e o exterior continua atraindo os brasileiros. Levantamento divulgado em 2017, pela empresa Kantar Ibope Media, apontou que o interesse dos brasileiros em terras estrangeiras é de 66%. E qual seria o meio de transporte rápido, barato, que possibilite a inserção na cultura local e que permita integração com outros meios de transporte? O metrô. Numa pesquisa rápida pelos grupos de WhatsApp sobre quem já usou esse meio de transporte por, no mínimo, uma vez chega-se a uma resposta positiva de 95%.

Viajar e não ter aborrecimento com locomoção é algo pretendido pelos turistas e estar próximo de uma estação de metrô já evita aborrecimentos com os engarrafamentos no trânsito. O professor Henrique Luciano, do Instituto Federal do Ceará - IFCE, comenta a sua experiência com o metrô na viagem que fez com a esposa Priscilla Raphaella para a cidade de Santiago, Chile.

 

TRANSPORTE:

vou de Metrô

Brasileiros usam transporte sobre trilhos para
conhecer as terras além-mar

Para Priscilla, a proximidade do hotel e a segurança presente na estação pesaram na hora de escolher qual meio de transporte usar durante a estadia em terras chilenas.

 

De acordo com o Portal BRchile, o metrô da cidade de Santiago conta, atualmente, com cinco linhas e 108 estações, cobrindo uma extensão de 103 km. E, por onde passou, “as estações estavam sinalizadas e tinham rampas para deficientes”, observa.

 

LEIA MAIS:

TOPO

Mapa do metrô da cidade de Santiago

Em Santiago, os turistas podem adquirir o Tarjeta bip. É um cartão que permite o pagamento de metrô e ônibus, combinado. A cada viagem realizada, o turista passa o cartão num equipamento chamado validador. Neste momento, será descontado o valor da passagem, apresentado o saldo e a recarga pode ser feita na própria estação.

O preço e a possibilidade de interligação com outros meios de transporte facilitam a vida dos brasileiros. É impressionante como a rede de transporte está presente em toda a cidade, tornando o uso bastante cômodo. Há ainda a interligação com outros transportes, como teleférico, por exemplo. Tudo isso com um bilhete único”, pondera Cássio. Também na Europa, as rampas estão presentes nas estações “principalmente, na Áustria, há total acesso a todos”, lembra Cássio.

Cássio lembra que não há a conferência do bilhete de acesso e nem máquina de controle.

Foi muito bom. Muito prático. Utilizamos algumas vezes na cidade”.

Uma das estações ficava exatamente no quarteirão do hotel no qual estávamos hospedados. Havia outras duas, a três quarteirões de distância do hotel, e percebi a presença de seguranças. Equipes da própria estação estavam no local”.

Priscilla e Henrique em frente ao Palácio La Moneda, no Chile (Foto: arquivo pessoal)

Mas, e o preço?Não era caro. O valor era acessível! Só aceitavam em espécie. Se não me engano, somente na moeda local. Havia um cartão que poderia ser ‘abastecido’ em pontos de autoatendimento”, comenta Henrique.

Hotel onde ficaram Henrique e Priscilla - em vermelho o hotel e em azul as estações do metrô

Mas, e o preço?Em Innsbruck, na Áustria, o transporte é bastante novo e pontual e, além disso, há pouquíssimo movimento, com trens bastante vazios. Em Milão, na Itália, apesar de bastante movimentado, há maior organização do que em outros locais”, analisa o professor Cássio Rúbio, da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira – Unilab, na viagem que fez com a esposa Marina Márcia.

Cassio e Marina usam o metrô em Milão
(Foto: arquivo pessoal)

Em alguns locais, como a Áustria, não há qualquer conferência do porte do cartão, nem há qualquer máquina ou controle. Esporadicamente, alguns fiscais fazem a conferência e a validação dos cartões das pessoas que estão no veículo. Para os que não o possuem, há certo constrangimento”.

Sobre o idioma e sinalização, tanto na América do Sul ou na Europa, fala-se a língua local.Não recordo de ouvir os funcionários falando outros idiomas. Conosco só falaram espanhol. Mas, a sinalização incluía o inglês” e “na maioria dos locais, as placas estavam em idioma local, entretanto lembro-me de encontrar, nas máquinas de compra, a opção de português e inglês e não havia muito interesse, por parte dos funcionários, em se expressar em outro idioma”, observam os casais.

 

Quando comentado sobre o metrô da cidade de Fortaleza, Cássio costuma usar, mas faz algumas observações.

 

O serviço é bastante satisfatório. Boa segurança e qualidade dos vagões, inclusive com ambiente climatizado. Não há, como em alguns países pelos quais passei, o controle rigoroso do horário. Contudo, não há grande demora entre cada viagem. Lamentavelmente, alguns carros já se encontram depredados, com vidros quebrados ou com buracos de bala. A principal crítica é que as linhas (duas apenas) ainda não cobrem grande parte da cidade e, apesar de usar o metrô, sempre tenho que complementar a viagem com ônibus ou Uber”.

SAIBA MAIS

Innsbruck sediou as Olimpíadas de Inverno em 1964 e 1976 e os Jogos Olímpicos de Inverno da Juventude, em 2012.

 

A cidade de Milão conta com 4 linhas de Metrô.

 

Mapa do metrô da cidade de Milão

Tarifas do metrô na cidade de Milão

Metrô Austríaco
(Foto Divulgação)

Gastos dos brasileiros no exterior

(Fonte Google)

2013 | US$ 24,98 bilhões


2014 |  US$ US$ 25,6 bilhões

2015 |  US$ 17,36 bilhões

2016 |  US$ 14,497 bilhões


2017 de janeiro a outubro |  US$ 14,145 bilhões 

Dicas de sites

SEGURANÇA: nas estações, atenção redobrada com pertences

É comum observar diariamente o grande fluxo de pessoas nas estações de metrô do país. Principalmente em datas festivas como Natal e Réveillon que se aproximam. Esse aumento de usuários sobrecarrega a equipe de segurança que atua nas plataformas e facilita a atuação de criminosos no interior das estações.

Equipamentos eletrônicos, por exemplo, notebook é o alvo preferido de quadrilhas que veem nesses equipamentos uma ótima oportunidade de negociação. Outros objetos pequenos como relógios, óculos esportivos, smartphones, câmeras fotográficas também são alvos.

A seguir, algumas dicas que os usuários de metrô devem usar:

  • Não deixar os seus pertences afastados;

  • Não deixar o zíper da mochila voltado para trás;

  • Usar o smartphone moderadamente;

  • Ficar atento no momento do embarque e desembarque;

  • Cuidado com aquelas pessoas que do nada esbarram em você;

  • Não deixar a carteira exposta;

  • Não manusear dinheiro em espécie na frente de estranhos;

  • E atenção com pessoas que pedem ajuda, pois neste momento ela distrai você e pode subtrair algum item pequeno da sua bolsa.

Se, com todos esses procedimentos, porém, você ainda for vítima de um assalto ou furto, procure a administração do metrô, comunique e registre o episódio.

 

 

Com atitudes simples de segurança é possível evitar maiores aborrecimentos e ter uma viagem tranquila

  • Grey Twitter Icon
  • Grey Facebook Icon
  • Grey Instagram Icon

Este hotsite, Partiu Metrô?, é resultado do trabalho final da disciplina Projeto em Mídias Convergentes - 2017.2, com orientação do professor Miguel Macedo, do Centro Universitário 7 de Setembro (Uni7).

As reportagens são dos estudantes Amanda Cavalcanti, Iury Medeiros, Mairla Freitas, Mariana Amorim, Natasha Lima, Paulo Mesquita e Rafaelly Leal. A direção de arte é de Naélio Santos. CONFIRA DETALHES!

© Fortaleza 2017. PROJETO PARTIU METRÔ

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now
Preço do Bilhete: Horário Baixo